segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Encontro da Pastoral da Ecologia da CNBB Sul III

Pastoral da Ecologia da CNBB Sul III aposta nos Grupos Ecológicos de Base

A Pastoral da Ecologia promoveu no último dia 21 de novembro um encontro de formação e articulação, onde foram abordados temas referentes à crise ecológica e a visão cristã de ecologia.

Através do método “Ver, Julgar e Agir”, os participantes do encontro refletiram sobre a atual situação socioambiental do planeta e definiram algumas estratégias para atuação pastoral.

Após acolhida dos participantes e momento de espiritualidade, a bióloga Maria Carmem Sestren-Bastos, do InGá (Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais) fez uma fez uma palestra com o tema “Nós e o Meio Ambiente”. A seguir o canadense Denis, da Igreja da Pompéia apresentou material sobre formas alternativas de preservar o meio ambiente no dia a dia da vida doméstica. Na seqüência houve debate sobre a situação atual do meio ambiente e partilha das experiências dos Grupos Ecológicos de Base (GEB’s). Na parte da tarde, Pilato Pereira abordou sobre aspectos bíblicos e teológicos da Ecologia – a Ecologia como uma questão de fé.

Seguindo os passos da metodologia “Ver, Julgar e Agir”, os participantes do encontro definiram a organização dos Grupos Ecológicos de Base como estratégia para implantar a Pastoral da Ecologia nas dioceses do Rio Grande do Sul.

Os grupos Ecológicos de Base são constituídos por pessoas que, a partir da fé, decidem atuar em defesa do meio ambiente. Um grupo de pessoas que se reúne, reza, estuda e atua conjuntamente. Cada grupo atua no seu local específico, mas conectado com os demais grupos e outras organizações ambientais para sumir lutas maiores. Os Grupos Ecológicos de Base tem quatro pilares de sustentação: o Testemunho, o Dialogo, a Denúncia e o Anúncio. É preciso olhar global e local, agir local e global.

Também esteve presente no encontro o fundador do Movimento Gaúcho em Defesa do Meio Ambiente, MoGDeMA, o Sr. Sylvio Nogueira que compartilhou sobre a experiência de mobilização dos militantes e diversos movimentos e organizações ambientais no caso da Consulta Pública sobre o Pontal do Estaleiro em Porto Alegre. Na ocasião a Pastoral da Ecologia se manifestou em defesa da Orla do Guaíba e contra a privatização e a degradação do espaço natural da Orla do Guaíba no Pontal do Estaleiro.

Foi estabelecido a realização de dois encontros em nível regional durante o ano e outros encontros nas dioceses. A Pastoral da Ecologia participará da celebração dos 10 anos do Fórum Social Mundial e vai oferecer oficinas no Mutirão de Comunicação, que acontece em Porto Alegre, entre os dias 3 a 7 de fevereiro de 2010.

sábado, 31 de outubro de 2009

Encontro de Formação e Articulação da Pastoral da Ecologia

Encontro será dia 21 de novembro, das 8:30 às 16 horas na CNBB, em Porto Alegre.

Em muitas comunidades, paróquias e dioceses do Rio Grande do Sul já existem pessoas organizadas, grupos se organizando e movimentando a Igreja e a sociedade para a causa ecológica. A Igreja no Rio Grande do Sul (CNBB Sul 3) quer reconhecer e fortalecer todas as práticas já existentes no campo da ecologia e fomentar novas iniciativas para que de fato tenhamos uma Pastoral da Ecologia.

Para isso foi programado um encontro de formação e articulação, em Porto Alegre, na sede da CNBB, para o dia 21 de novembro.

Para este encontro, está sendo convidada uma representação de cada diocese do regional e outras pessoas que já estão atuando ou que pretendem atuar em sua comunidade, numa pastoral específica para a causa ecológica.

Trata-se de um encontro de formação e articulação, onde serão abordados temas referentes à crise ecológica e a visão cristã de ecologia. Também haverá um momento de encaminhamentos práticos de como organizar a Pastoral da Ecologia nas comunidades, paróquias e dioceses.

Data: 21 de Novembro (sábado) Hora: 8h às 16h, com almoço no local Local: CNBB Sul 3 – Av. Cristóvão Colombo, 149 - Porto Alegre – RS

Para maiores informações e confirmação de presenças:
(51) 9899.5706 - Natália; (51) 8546.3317 - Pilato; (51) 3225.8483 - CNBB
Por e-mail: pastoraldaecologia.rs@gmail.com ou freipilato@gmail.com

domingo, 25 de outubro de 2009

I Simpósio do IJA: Reserva Legal, APPs e Sustentabilidade na Cadeia Produtiva


5 e 6 de novembro de 2009 | Auditório do Instituto Goethe

Rua 24 de Outubro, 112, em Porto Alegre, RS


APRESENTAÇÃO

O Simpósio visa abordar um dos temas mais importantes da atualidade: a sustentabilidade na cadeia produtiva diante das exigências da legislação ambiental e da qualidade do meio ambiente para as futuras gerações.

O enfrentamento do paradigma produção versus meio ambiente é um dos principais desafios da humanidade no século XXI, e o tema escolhido pelo Instituto Justiça Ambiental - IJA não poderia ser mais atual e importante, tendo como centro da discussão a sustentabilidade na produção rural.


PÚBLICO ALVO

Membros de organizações não-governamentais, advogados e órgãos de proteção do meio ambiente, promotores de justiça, economistas, gestores de sustentabilidade de empresas, técnicos da área do meio ambiente, professores, estudantes e interessados em geral.


OFICINAS

O Simpósio contará com três oficinas apresentadas por graduandos e profissionais que poderão apresentar seus artigos e trabalhos relacionados à temática do evento (máximo de 15 folhas, espaço 1,5).

*Os trabalhos poderão ser enviados até 26/10. Os autores selecionados ficarão isentos da taxa de inscrição.

Informações e encaminhamento de trabalhos pelo e-mail ija@ija.org.br ou pelo telefone (51) 3907.9010.


PALESTRANTES

Ademar Ribeiro Romeiro, professor associado do Instituto de Economia da UNICAMP, Doutor em Economia pela EHESS/Universidade de Paris, Pesquisador do CNPq, Coordenador do Núcleo de Economia Agrícola e do Meio Ambiente do IE/UNICAMP, pesquisador e professor visitante: EHESS/Universidade de Paris, ENGREF;

Alexandre Raslan, Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Mato Grosso do Sul;

Ana Maria Moreira Marchesan, Promotora de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, Mestre em Direito e Biodireito pela UFSC, atual diretora da ABRAMPA - Associação Brasileira dos Promotores de Meio Ambiente para a Região Sul;

Antônio Libório Philomena, mestre em ciências marinhas pela Universidade Estadual de Louisiana - LSU/Boton Rouge, USA; doutor em ecologia pela Universidade da Georgia - UGA/Athens, USA; professor da Universidade Federal de Rio Grande - FURG;

Cristiano Pacheco, especialista em direto ambiental pela Universidade Federal de Pelotas - UFPEL, líder-parceiro AVINA, diretor executivo do Instituto Justiça Ambiental, membro da Comissão de Meio Ambiente da OAB/RS;

Daniel César Azeredo Avelino, Procurador da República no Pará, mestrando em direito ambiental pela Universidade Federal do Pará - UFPA e professor universitário;

Gustavo Trindade, sócio do escritório Gustavo Trindade & Associados, ex-chefe da consultoria jurídica do Ministério do Meio Ambiente, Diretor do Instituto O Direito Pelo Planeta Verde;

Léo Voigt, diretor executivo do Instituto Vonpar, sociólogo e Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, professor universitário;

Luciano Furtado Loubet, Promotor de Justiça no Mato Grosso do Sul, integrante e um dos fundadores da Rede Latino-Americana de Ministério Público Ambiental;

PROGRAMAÇÃO

Coordenador Geral das Palestras
Cristiano Pacheco
Diretor Executivo do Instituto Justiça Ambiental - IJA

Dia 05 de novembro

12h às 13h30min – Credenciamento

14h – Cerimônia de Abertura
Cristiano Pacheco - IJA

14h30min – Sustentabilidade Produtiva e Biodiversidade
Florestal de uma Perspectiva Econômico-Ecológica
Ademar Ribeiro Romeiro - UNICAMP

16h – coffee break

16h30min – Produção e Consumo em Escala:
Sustentabilidade e a Indústria de Refrigerantes
Léo Voigt – Instituto VONPAR

18h – Preservação Ambiental e o Papel do Consumidor
Daniel César Azeredo Avelino – MPF/PA

19h30min – A Responsabilidade Civil Ambiental do Financiador
Alexandre Raslan – MP/MS

Dia 06 de novembro

9h – O Ministério Público na Tutela das APPs
Ana Maria Moreira Marchesan – MP/RS

10h30min – coffee break

11h – Oficinas
O trabalho selecionado para oficina isenta o autor da inscrição no simpósio.

12h30min – Intervalo para almoço

14h – Tutela da Reserva Legal e APPs e as Mudanças na Legislação
Gustavo Trindade – Gustavo Trindade & Associados

15h30min – coffee break

16h – APPs como Área de Biocapacidade nos Cálculos da Pegada Ecológica
Antônio Libório Philomena - FURG

17h30min – Regime Jurídico da Reserva Legal dos Imóveis Rurais
Luciano Furtado Loubet – MP/MS

19h – Encerramento
Cristiano Pacheco - IJA


INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES

Telefone (51) 3907.9010 ou (51) 9829.9010
E-mail: ija@ija.org.br
Período de inscrição: até o dia 30/10/09
Valor da inscrição: R$ 60,00
Valor da inscrição para filiados: R$ 48,00

Filiação anual: R$ 60,00
Filiados ganham desconto de 20% na inscrição de cursos, simpósios e eventos promovidos pelo IJA. Para filiar-se, entre em contato


Serão disponibilizadas bolsas para estudantes das áreas afins.


sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Papa pede que cristãos sejam testemunhas da preservação ambiental

"Os cristãos são chamados a unir-se no oferecer ao mundo um testemunho crível da responsabilidade pela salvaguarda da Criação"


Cidade do Vaticano, 22 out (RV) - Bento XVI enviou uma mensagem ao patriarca ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, para a abertura, nesta quarta-feira, em Nova Orleans, Louisiana, EUA, do Simpósio de Religião, Ciência e Ambiente, que tem como tema "Restabelecer o equilíbrio: o grande rio Mississipi".

Na mensagem, o papa faz um apelo aos cristãos a fim de que ofereçam ao mundo um testemunho crível da responsabilidade pela salvaguarda da Criação e recorda o furacão Katrina, que em 2005 atingiu a referida localidade estadunidense.

As palavras do Santo Padre foram lidas pelo arcebispo de Nova Orleans, Dom Gregory Michael Aymond.

"Os cristãos são chamados a unir-se no oferecer ao mundo um testemunho crível da responsabilidade pela salvaguarda da Criação e a colaborar de todos os modos possíveis para assegurar que a nossa terra possa conservar intacto aquilo que Deus lhe deu: grandeza, beleza e generosidade."

Com essas palavras, Bento XVI quis saudar o patriarca Bartolomeu I e os 150 participantes do VIII Simpósio de Religião, Ciência e Ambiente dedicado ao Mississipi.

"A solução das crises ecológicas do nosso tempo requer necessariamente uma profunda mudança por parte de nossos contemporâneos": a esse propósito, o pontífice se diz "plenamente de acordo" com o patriarca Bartolomeu I sobre o fato que "os problemas urgentes que concernem ao cuidado e proteção do ambiente", contemplando importantes questões políticas, econômicas, técnicas e científicas, são, todavia, "essencialmente de natureza ética".

Citando a Caritas in veritate, o Santo Padre recorda que a natureza "é uma prioridade para todos" e, como fundamento da nossa vida, deve ser usada "responsavelmente" e "com respeito".

O papa ressalta ainda que um conhecimento "puramente econômico e tecnológico" do progresso inevitavelmente provocará "conseqüências negativas" para indivíduos, povos e para a própria criação. Um autêntico desenvolvimento humano chama a uma justiça entre gerações e à solidariedade com os homens e as mulheres do futuro, que têm também eles o direito de gozar dos bens que a criação oferece a todos com abundância, como querido por Deus – ressalta Bento XVI.

O pontífice prossegue a sua mensagem frisando que esse simpósio sobre o Mississipi nos recorda o ocorrido em Nova Orleans e nas adjacências, em 29 de agosto de 2005 com a passagem devastadora do furacão Katrina: "meus pensamentos e minhas orações se voltam para todos aqueles, especialmente os pobres, que experimentaram sofrimento, privação e deslocamentos, e para todos que se empenharam no paciente trabalho de reconstrução e renovação" – escreve o Santo Padre.

Na linha da observação do pontífice, segundo o qual "hoje os grandes sistemas fluviais de todos os continentes estão expostos a sérias ameaças, muitas vezes como resultado de atividades e decisões do homem", o patriarca Bartolomeu I ressaltou, em seu discurso, que "todos nós temos o nosso papel a desempenhar, a nossa sagrada responsabilidade" pelo amanhã. Porque – concluiu o patriarca ecumênico de Constantinopla – "toda decisão, pessoal e coletiva, determina o futuro do planeta". (RL)

Fonte: Rádio Vaticano

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Irmão Cechin em Cadernos Teologia Pública do IHU Unisinos

O Cadernos Teologia Pública nº 47, intitulado Marcos e perspectivas de uma Catequese Latino-americana, é de autoria de Antônio Cechin. Neste estudo o autor apresenta uma revisão histórica e crítica da Catequese latino-americana de Medellin a Aparecida.


Antonio Cechin é Agente de Pastoral em periferias da região metropolitana de Porto Alegre, assessor de Comunidades Eclesiais de Base do Rio Grande do Sul e de catadores e recicladores. É também coordenador do Comitê Sepé Tiaraju e da Pastoral da Ecologia do Regional Sul-3 da CNBB.


A versão eletrônica estará disponível na página "www.ihu.unisinos.br" até o dia 29/10/09.

A edição impressa da publicação pode ser adquirida na Livraria Cultural e/ou pelo endereço livrariaculturalsle@terra.com.br

Os Cadernos de Teologia Pública divulgam artigos que apresentam a contribuição da teologia com os debates que se desenvolvem na esfera pública da sociedade e na universidade, com abertura ao diálogo com as ciências, com a cultura e as religiões. Periodicidade mensal.

Esta publicação do Instituto Humanitas Unisinos - IHU fica disponível para download em PDF depois de um mês do seu lançamento e suas edições estão disponíveis nesta página.

Os Cadernos de Teologia Pública podem ser adquiridos na Livraria Cultural, no Campus da Unisinos, ou pelo endereço livrariaculturalsle@terra.com.br . Informações pelo fone 55 (51) 3590 4888.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Romaria das Águas: respeito à natureza e a liberdade e diversidade religiosa


Como acontecem todos os anos, o dia 12 de outubro é um dia de grandes e muitas romarias em honra de Nossa Senhora Aparecida.


Há 16 anos acontece em Porto Alegre a Romaria das Águas, em homenagem a Nossa Senhora Aparecida das Águas, uma devoção que iniciou com os catadores de lixo das Ilhas do Guaíba.


Neste dia 12 de outubro, de 2009, a Romaria das Águas em Porto Alegre, mesmo constando no calendário do município e tendo recursos aprovado no orçamento, não contou com apoio governamental, como já aconteceu em outras edições. Nem sempre a Romaria recebe o apoio de governo. Como também ainda não é um evento oficialmente apoiado pela Igreja.


Sempre teve a presença de padres e religiosos e até de bispos e é promovida com a parceria da Pastoral da Ecologia da CNBB, mas a Romaria das Águas ainda não tem recebido apoio oficial da Igreja Católica. Outras Igrejas cristãs participam e colaboram na organização do evento, mas a participação decisiva se dá pelas religiões de matriz africana, especialmente a Umbanda.


A Romaria das Águas, em Porto Alegre, tem chamado a atenção das religiões afro-brasileiras devido ao seu caráter ecumênico, ecológico e o respeito às diferenças culturais e religiosas.


A Romaria das Águas, por ser um ato de tão grande ecumenismo, de tão amplo dialogo inter-religioso, talvez não pudesse acontecer dentro de um templo, de uma catedral edificada por uma determinada religião ou igreja. Um evento dessa envergadura ecumênica só pode acontecer num templo aberto da natureza, o templo que o próprio Deus construiu. A natureza é o lugar próprio para celebrar e louvar o criador da vida. No templo da natureza não existe preconceitos e desrespeitos com as diferenças. A natureza nos ensina a sermos irmãos e vivermos a união na diversidade.


Com relação à 16ª edição da Romaria das Águas, de 2009, é importante denunciar que não foram investidos os recursos que constam no orçamento da Prefeitura de Porto Alegre para apoiar este evento, que também faz parte do calendário do município. O apoio necessário não veio do poder público. A Prefeitura de Porto Alegre, do governo Fogaça, apenas ajudou com algumas migalhas.


Nesta edição, a Romaria das Águas teve maior concentração no largo do Gasômetro, de onde partiu um barco de passeio com a imagem de Nossa Senhora até o Pontal do Estaleiro Só, local que foi alvo da consulta pública no dia 23 de agosto por conta dos projetos de privatização da orla do Guaíba.


A 16ª Romaria das Águas foi encerrada com um ato ecumênico que reuniu milhares de pessoas no largo do Gasômetro. Além dos fiéis, devotos de Nossa Senhora e militantes ambientalistas, outras milhares de pessoas que passeavam ou participavam da Feira de Artesanato na Usina do Gasômetro, também se integraram ao ato ecumênico da Romaria.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

16ª Romaria das Águas



Das 9 às 12 hs
– Oficinas, filmes, praça de alimentação (Peixe na Taquara), artesanatos, apresentações, músicas

12 hs – Ato político de caráter ecológico

13:30 – Saída barco do passeio

14 hs – Saída Imagem grande do Santuário e dos romeiros do clube.

15 hs Celebração da Vida – Ato Inter-Religioso

16 hs Encerramento

sábado, 5 de setembro de 2009

Roteiro e comentários para a liturgia do 23º Domingo do Tempo Comum 05 e 06/09, Dia da Amazônia (coleta solidária)


Comentário inicial:
Irmãos e Irmãs,
Paz e Bem!
Hoje somos convidados a refletir e celebrar nossa vocação missionária, enquanto discípulos e missionários de Jesus Cristo.
Dia 05/09: Dia da Amazônia. Os Frades Menores do Brasil, em comunhão com toda a Igreja do Brasil, convidam para:
* Refletir sobre o Projeto Missão Amazônia dos Frades Menores do Brasil;
* Celebrar a vocação missionária de todos nós seguidores do Evangelho;
* Despertar para o cuidado com a Obra da Criação (Ecologia);
* Promover ampla campanha de solidariedade Pró-Missão Amazônia.
Queremos nos colocar na dinâmica da Liturgia da Palavra de Hoje e pedir que Jesus abra nossos ouvidos para escutarmos o clamor dos pobres e o grito da Terra, renovando, nesta celebração, o nosso compromisso de resgatar a dignidade e liberdade das pessoas, especialmente em nossa pátria amada, que celebramos a sua independência nesta segunda-feira, fortalecendo assim nossa missão como discípulos seus.
Iniciemos, cantando.

Ato Penitencial
Imploremos a Misericórdia de Deus:
PR. pelas vezes em que nossa vocação missionária é enfraquecida pelo nosso egoísmo;
PR - pela nossa mentalidade consumista impossibilitando a escuta do clamor dos pobres excluídos, do grito da Terra que geme e sofre grande desequilíbrio por nossa ação violenta de depredação e falta de cuidado. Canto...
Glória
Louvemos a Trindade Santa pelo Dom da Criação. Pela doação da vida de tantos irmãos missionários; por tantas ações solidárias em defesa da vida dos mais pequeninos; do cuidado e proteção de toda forma de vida que subsiste na Terra. Canto...(hino de louvor)
Liturgia da Palavra (Is 35,4-7a; Sl 145(146); Tg 2,1-5; Mc 7,31-37)
Comentário:
O Profeta Isaías profetiza o poder de Deus que deseja re-criar sua obra criadora para restaurar sua harmonia. Esse desejo também é revelado pela ação de Jesus no Evangelho através do gesto da cura do surdo-mudo. O apóstolo Tiago alerta quanto ao cultivo das relações de respeito e igualdade na comunidade dos discípulos e missionários de Jesus Cristo.
Proclamação da Palavra
Homilia:
- Destacar a importância da Amazônia para vida do Planeta (subsídio: texto-base da CF – 2007 Fraternidade e Amazônia);
- Iluminar, à luz da Palavra de Deus e do Carisma Franciscano, a necessidade da Frente Missionária como discípulos e missionários de Jesus Cristo;
- Realçar que a Amazônia precisa de todos nós, como também, todos nós precisamos da Amazônia. Formamos uma teia de relações. Tudo está conectado.
- Sensibilizar sobre a necessidade de ações concretas locais no cuidado com a Ecologia.
- Motivar para a campanha de solidariedade Pró Missão Amazônia (coleta).
Ofertório
(Podem ser ofertadas ações concretas da Comunidade local que ilustram a vivência da vocação missionária e o esforço no cuidado com a nossa Casa, a Obra Criadora de Deus).
Segue a Liturgia Eucarística

fonte: http://www.franciscanos.org.br/ecologia/luaeestrelas/noticias2009/045.php

domingo, 23 de agosto de 2009

Vitória do NÃO

A vitória do NÃO na Consulta Pública sobre o Pontal do Estaleiro


A Consulta Pública realizada neste domingo, dia 23 de agosto, em Porto Alegre, para decidir sobre edificações no Pontal do Estaleiro, na Orla do Guaíba, contou com a participação de 22.619 votantes, sendo 22.574 válidos, 22 nulos e 23 em branco.


A opção “NÃO” recebeu 18.212 votos (80,7% dos válidos), enquanto o “SIM” recebeu apenas 4.362 votantes (19,3%).

Confirmação no site da Prefeitura de Porto Alegre.


Na consulta pública, a população respondeu à seguinte pergunta: “Além da atividade comercial já autorizada pela Lei Complementar 470, de 2/1/2002, devem também ser permitidas edificações destinadas à atividade residencial na área da Orla do Guaíba onde se localiza o antigo Estaleiro Só?”.


Parabéns a todos os cidadãos e cidadãs porto-alegrenses que disseram “NÃO”. E a luta continua depois das urnas....

O voto "NÃO" está na frente

A Consulta Pública sobre a área do Antigo Estaleiro Só está garantindo a vitória do voto "NÃO"
Acompanhe a apurarão no site da Prefeitura de PoA:
http://consultapublica.procempa.com.br/consultapublica/acompanhaApuracaoMicro.do

Além da atividade comercial já autorizada pela Lei Complementar nº 470, de 02/01/2002, devem também ser permitidas edificações destinadas à atividade residencial na área da Orla do Guaíba onde se localiza o antigo Estaleiro Só?

Morte vida severina

Hoje é o dia do NÃO



Para não se arrepender depois

sábado, 22 de agosto de 2009

O Domingo do NÃO


Domingo, 23 de agosto é o Dia do NÃO


NÃO deixe de ir à missa ou culto

NÃO deixe de visitar seus amigos...

NÃO deixe de ver o jogo...

NÃO deixe de fazer o bem aos outros

NÃO perca tempo. Faça tudo o que tens para fazer e, se for eleitor de Porto Alegre, NÃO deixe de votar NÃO na Consulta sobre a Orla do Guaíba.

NÃO esqueça de ver o Pôr-do-Sol na Orla do Guaíba. É muito lindo e ninguém pode tirar esse direito que Deus nos deu pela natureza.


A pergunta é:


“Além da atividade comercial já autorizada pela Lei Complementar nº 470, de 02 de janeiro de 2002, devem também ser permitidas edificações destinadas à atividade residencial na área da Orla do Guaíba onde se localiza o antigo Estaleiro Só?”


As respostas disponíveis:
1 – (X) NÃO
2 – ( ) SIM

A votação:
Os eleitores votarão em urnas eletrônicas, no dia 23 de agosto de 2009, das 9h às 17h. Serão 89 locais de votação. A lista completa de endereços, locais de votação está neste blog e outros, nos jornais e no site da Prefeitura de PoA:
http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/cs/usu_doc/local_de_vota_por_zona.pdf


quarta-feira, 19 de agosto de 2009

A BELEZA DA ORLA DO GUAÍBA NÃO COMPORTA “ESPIGÕES”

Que a partir de 23 de agosto seja possível continuar a repetir o gesto de Jerônimo de Ornellas, o primeiro habitante do morro Santana, que frequentemente subia o alto do morro e, contemplando lá de cima a paisagem do Delta do Jacuí, dizia: “Eu VI-A-MÃO de Deus”.

A mão de Deus que está representada pelos cinco rios: Jacuí, Caí, Sinos, Gravataí e Taquari. Os cinco rios representam os cinco dedos da mão de Deus.

Leia a seguir o belo texto do Irmão Antônio Cechin, fundador da Pastoral da Ecologia.

A BELEZA DA ORLA DO GUAÍBA NÃO COMPORTA “ESPIGÕES”

Volta e meia ouvimos alguém falar assim: “As praias do Rio Grande do Sul começam em Santa Catarina”. Ou então outros mais sarcásticos - um deles é um notável articulista de jornal - todos os anos, por ocasião da enxurrada dos “hermanos” argentinos rumo ao norte do Mampituba, saem com essa: “As praias de Santa Catarina dão de goleada nas praias do Rio Grande do Sul”. Ledo engano!... A realidade é que nosso Rio Grande tem dois mares, o de dentro, também apelidado de Costa Doce, e o de fora. Santa Catarina só tem um, o de fora.

Um pescador de Tramandaí, provocado pelo estranhamento de um banhista pela linha reta sem reentrância de espécie alguma, em nosso litoral, começando a norte, no Mampituba, limite com Santa Catarina, e se estendendo até o Chuí, na fronteira-sul com o Uruguai, retruca assim

“Famílias da roça, quando realizam o sonho da casa própria, costumam convidar amigos e vizinhos para a “festa da cumieira”. A colocação do telhado significa que a façanha está chegando ao “gran finale”. Aliás o provérbio dos antigos também confirma esse comportamento quando diz: “o coroamento da obra acontece no fim!”. Em bom latim: “finis coronat opus!”

Quem por primeiro assim procedeu, foi o próprio Deus, o supremo arquiteto do universo. Ele fez o mundo em sete dias. O último contorno de praias que criou foi no litoral brasileiro. Um grande mutirão: Deus com os seus anjos.

Na manhã do sexto dia começaram na costa norte da Terra de Santa Cruz, hoje Brasil, com a Amazônia. Vieram descendo rumo ao sul, num capricho só: praias cheias de recortes com enseadas, penínsulas, cabos, golfos, promontórios, baías, montanhas, estuários, etc. etc. Parecia mesmo um artesanato de mulher rendeira à beira d’água. Pelas 12 horas desse último dia de trabalho, tinham chegado à foz do Mampituba, divisa com o nosso Estado.

Deus Pai Criador se voltou então para os anjos e falou: “Vou me recolher ao seio da Trindade a fim de decidir como e quem vamos colocar para habitar a casa que está ficando pronta”. Deixou um “trabalho de casa” para ocupar os anjos: fazer as praias do Rio Grande do Sul que ainda faltavam.

A confabulação entre Pai, Filho e Espírito Santo concluiu que as criaturas humanas – homem e mulher – seriam feitos à “imagem e semelhança” das três divinas pessoas que, de tanto se amarem formam a melhor Comunidade.

Nesse meio tempo, os anjos arregaçaram as mangas e fizeram esse “retão” de praia a contrastar com tudo que haviam feito antes em companhia do Criador do mundo.

Pelo meio da tarde Deus-Pai, depois de ter resolvido com as duas outras divinas pessoas, o jeito que teriam os moradores da Casa Terra, veio para junto de seus anjos para ver o serviço. Quando deparou com a imensa linha reta da costa, o Criador levou um susto.

- “Então toda uma semana em que trabalhamos juntos não foi suficiente para vocês aprenderem?!”

Os anjos ficaram tristes e até um deles ensaiou uma lágrima, mas Deus que é Amor, imediatamente atalhou: “Nada, nada grave! Agora, retomando nosso mutirão, vamos mostrar as maravilhas que somos capazes de fazer no interior do continente. Vamos fazer o mar de dentro.” Falou e imediatamente espalmou a mão sobre o “continente que é o Rio Grande”. A palma da mão divina é o Guaíba. Cada um dos cinco dedos são os cinco rios: Jacuí, Caí, Sinos, Gravataí e Taquari. Isso tudo, naturalmente ao lado de inúmeros arroios, cascatas, lagos, lagunas, a Lagoa dos índios Patos que é a maior da América, etc. etc.

Dizem até que Jerônimo de Ornellas, o primeiro habitante, do alto do morro Santana em que morava, contemplava, lá de cima o Delta do Jacuí e repetia sempre: Eu VI-A-MÃO de Deus. Expressão que depois passou a ser o nome do município lindeiro de Porto Alegre. .

Estava terminada a obra da Criação e a marca de Deus, - sua assinatura – é o Guaíba com os cinco dedos da mão se espraiando Rio Grande acima, em cujas margens vivem os dois terços de toda a população da nossa Terra querida, “defendida por Sepé”.

Será que saberemos preservar, a 23 de agosto, com o primeiro plebiscito de caráter ecológico de nossa história, as maravilhas da natureza com que Deus nos presenteou?...

Por Irmão Antônio Cechin

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Manifesto da Pastoral da Ecologia sobre o projeto de construção na Orla do Guaíba


Manifesto da Pastoral da Ecologia sobre o projeto do Pontal do Estaleiro e a Consulta Pública do dia 23 de agosto de 2009, em Porto Alegre.

“No princípio, Deus criou o céu e a terra” (Gn 1,1). “E Deus viu tudo o que havia feito, e tudo era muito bom” (Gn 1,31). Pleno de amor e liberdade, durante o tempo que não sabemos calcular – simbolizado em sete dias no relato bíblico – Deus criou a vida, as mais diversas e infinitas formas de vida. E tudo nos foi dado, não para destruirmos, mas para cuidar e preservar.


Deus, o criador, o defensor da vida, continua sua obra criacional, protegendo e libertando a vida de tudo aquilo que possa lhe causar destruição. E para isso, Ele nos chamou a sermos seus companheiros, co-criadores da sua obra.


A história, no entanto, mostra o quanto nós humanos nos enganamos a nós próprios querendo ser os donos do mundo. Mas, Deus não nos deu o título de posse e propriedade do planeta Terra. Ele nos deu muito mais que isso, confiando-nos a missão de cuidar, zelar e preservar o mundo todo e toda a sua riqueza natural para garantir a vida em todas as gerações.


A Bíblia, numa bela poesia, relata que “a terra estava sem forma e vazia; as trevas cobriam o abismo... Deus disse: ‘Que exista a luz!’ E a luz começou a existir...” (Gn 1,2-3). E como pode, agora, alguém pretender esconder a luz do Sol em seu poente sobre as águas do Guaíba? Querem, por acaso, ser mais do que Deus que a todos deu a beleza do Pôr-do-Sol?


Deus criou conversando com sua criação, dialogando com sua obra de arte. Ele próprio reconheceu e pronunciou a beleza de cada coisa que criou. E assim, podemos dizer que, quando criou o Pôr-do-Sol do Guaíba, Deus proseava com a bela paisagem que criava, se admirando da beleza e sentindo a alegria de poder doar tal esplendor ao ser humano, a quem também confiou a missão de cuidar.


E agora, sem dialogar com ninguém, sem ao menos pedir licença, aqueles que pensam ser os ‘donos do mundo’ querem se apropriar da Orla do Guaíba, construindo prédios que servem de muros para esconder a paisagem. Querem privatizar a beleza que Deus nos deu. Querem privatizar uma obra de arte pintada pelas mãos de Deus. Mas, nós não vamos deixar.


É uma questão de fé, para nós cristãos, defender a natureza nas suas mais diversas formas de vida e garantir que todos possam ter acesso aos recursos e às paisagens naturais. Não podemos permitir nem nos omitir diante de planos e projetos que ferrem a integridade da criação de Deus. E assim, como Pastoral da Ecologia, nos manifestamos contra as obras da Orla do Guaíba, no Pontal do Estaleiro.


Em acordo com todos os motivos apresentados pela Frente do NÃO, nos motivamos também pela nossa fé. Compreendemos e alertamos que a concretização do projeto em questão, causará danosos impactos ambientais e problemas de acessibilidade da população. E, além de representar a privatização da Orla do Guaíba, o projeto vem sendo encaminhado de maneira não ética. Não podemos permitir tal agressão à vida. E, por motivos de caráter socioambientais e, em nome da fé, entendemos que é preciso dizer NÃO.


Como pastoral de Igreja, nos somamos a luta da sociedade civil, ONGs e Movimentos que se articulam e mobilizam militantes na campanha do voto NÃO na Consulta Pública do dia 23 de agosto, de 2009 em Porto Alegre. E convidamos nossos irmãos e irmãs na fé, nossos companheiros e companheiras de caminhada e todo o povo cristão a testemunhar a fé viva no Deus criador e defensor da vida.

Jesus recomendou no Evangelho: “Diga apenas sim, quando é sim; e não, quando é não” (Mt 5, 37). Agora, portanto, é hora de dizer NÃO.


Confira os locais de votação em nosso blog (www.pastoraldaecologia.blogspot.com), convide seus colegas, amigos e familiares e ajude a fortalecer o NÃO.


E assim, não vamos pecar nem por atos nem por omissão.


Pastoral da Ecologia – CNBB Sul 3 – Rio Grande do Sul

Porto Alegre 16 de agosto de 2009.

sábado, 15 de agosto de 2009

Locais de votação na Consulta Pública do dia 23 de agosto

Confira os locais de votação na “consulta pública” sobre o Pontal do Estaleiro, dia 23 de agosto

Caso tenha dificuldades em encontra o local onde poderá votar, disque 156 (ligação grátis) que será informado. O serviço está disponível 24h/dia

Locais de votação, conforme a seção eleitoral:

folder

(clique na imagem acima para ver ou baixar – Arquivo em PDF)

- Escola Estadual Almirante Barroso – Rua Capitão Coelho, 95, Ilha da Pintada
- Escola Estadual Alvarenga Peixoto – Avenida Presidente Vargas, Ilha Grande dos Marinheiros
- Escola Estadual Danilo Antonio Zaffari – Rua General Marcos Kruchin, 291, Farrapos
- Escola Estadual Lions Club P.A. Farrapos – Rua Dona Teodora, 1.156, Farrapos
- Escola Estadual José Garibaldi – Rua Dr. Caio Brandão de Mello, s/nº, Humaitá
- Escola Normal 1º de Maio – Avenida Presidente Franklin Roosevelt, 149, São Geraldo
- Colégio Marista São Pedro – Rua Alvaro Chaves, 601, Floresta
- Instituto Vicente Pallotti – Rua Tupi, 212, Passo D’Areia
- Colégio La Salle São João – Rua Honório Silveira Dias, 645, São João
- Escola Mãe de Deus – Rua Souza Reis, 132, São João
- Escola Estadual Bahia – Rua Angelito Asmuz Aiquel, 125, Bela Vista
- Escola José Cesar Mesquita – Avenida do Forte, 77, Vila Ipiranga
- Escola Dom Luis Guanella – Avenida Benno Mentz, 1.560, Vila Ipiranga
- Centro Comunitário Regional Noroeste (Antigo Cecoflor) – Rua Irene Capponi Santiago, 290, Cristo Redentor
- Escola Estadual Ana Neri – Rua Joaquim Silveira, 730, São Sebastião
- Escola Municipal Décio Martins Costa – Rua Cristóvao Jacques, 488, Sarandi
- Escola Municipal Liberato Salzano – Rua Xavier de Carvalho, 274, Sarandi
- Escola Estadual Itamarati – Avenida Francisco Rodolfo Simch, 617, Sarandi
- Escola Municipal Presidente João Belchior Marques Goulart – Rua João Luiz Pufal,100, Sarandi
- Vida Centro Humanístico – Av. Baltazar de Oliveira Garcia, 2.132, Rubem Berta
- Escola Municipal Presidente Vargas – Rua Ana Aurora do Amaral Lisboa, 60, Passo das Pedras
- Escola Estadual Japão – Rua Enrico Caruso, 444, Jardim Itu Sabará
- Escola Estadual Profª Gema Angelina Belia – Avenida Antonio de Carvalho, 495, Agronomia
- Escola Estadual Rubem Berta – Rua Saturnino de Brito, 1.400 , Vila Jardim
- Escola Estadual Fernando Gomes – Rua Frederico Guilherme Gaelzer, 168, Jardim do Salso
- Escola Estadual Antão de Farias – Rua Bom Jesus, 505, Bom Jesus
- Escola Estadual Monsenhor Leopoldo Hoff – Rua Moema, 255, Chácara das Pedras
- Escola Estadual Professor Alcides Cunha – Rua Hélio Pimpão, 52, Protásio Alves
- Escola Estadual Padre Balduíno Rambo – Rua Humberto de Campos, 130, Partenon
- Escola Estadual Madre Maria Selima – Rua Tenente Ary Tarragô, 130, Aparício Borges
- Conselho Tutelar Microrregião 4 – Rua Manoel Vitorino, 10, Partenon
- Escola Estadual Jerônimo de Albuquerque – Rua Juarez da Távora, 550, Vila João Pessoa
- Escola Estadual Dr. Martins Costa Junior – Rua Dona Firmina, 1.377, São José
- Escola Municipal Padre Ângelo Costa – Rua Primeiro de Março, 300, São José
- Escola Estadual Prof. Edgar Luiz Schneider – Av. Elias Cirne Lima, 100, Partenon
- Colégio Marista Champagnat – Avenida Bento Gonçalves, 4.314, Partenon
- Escola Elpidio Paes – Rua Inhanduí, 432, Cristal
- Escola Estadual Prof. Afonso Guerreiro Lima – Rua Banco Inglês, 300, Santa Tereza
- Escola Estadual Santa Rita de Cássia – Rua Silveiro, 1.640, Menino Deus
- Escola Estadual Dom Pedro I – Rua Pedro Boticário, 654, Partenon
- Escola Fundamental Monsenhor Leopoldo Neis – Est. dos Battilanas, 140, Cascata
- Colégio Municipal Emílio Meyer – Avenida Niterói, 472, Medianeira
- Escola Estadual Brigadeiro Silva Pais – Rua Professor Clemente Pinto, 555, Medianeira
- Escola Municipal José Loureiro da Silva – Av. Capivari, 1.999, Cristal
- Escola Estadual Jardim Vila Nova – Rua Fernando Pessoa, s/nº, Vila Nova
- Escola Estadual Paulina Moresco – Rua Thome Antonio de Souza, s/nº, Aberta dos Morros
- Escola Estadual Ceará – Avenida Arnaldo Bohrer, 98, Teresópolis
- Escola Estadual Padre Reus – Av. Otto Niemeyer, 650, Tristeza
- Escola Adventista de Porto Alegre – Avenida Otto Niemeyer, 2.124, Tristeza / Rua Dr. Pereira Neto, 475, Tristeza -
- Escola Estadual Nações Unidas – Rua Manoel do Carmo, 100, Nonoai
- Escola Estadual Clotilde Cachapuz Medeiros – Rua Arachanes, 242, Espírito Santo
- Centro Comunitário Parque Madepinho – Rua Arroio Grande, 50, Cavalhada
- Colégio Estadual Cônego Paulo de Nadal – Avenida Cavalhada, 4.357, Cavalhada
- Escola Estadual Alberto Torres – Av. Rodrigues da Fonseca, 1.666, Vila Nova
- Escola Estadual Dr. Pacheco Prates – Praça Nossa Senhora de Belém, s/nº, Belém Velho
- Escola Estadual Oscar Coelho de Souza – Estrada do Varejão, 372, Lami
- Escola Estadual Monte Líbano – Rua Lemuria, 10, Ipanema
- Escola Estadual Professore Langendonck – Rua Jacunda, 365, Guarujá
- Escola Estadual Custódio de Mello – Rua D – Vila dos Sargentos, 220, Serraria
- Escola Estadual Dr. José Loureiro da Silva – Est. Retiro da Ponta Grossa, 3.541, Ponta Grossa
- Escola Municipal Prof. Anísio Teixeira – Rua Francisco Mattos Terres, 40, Hípica
- Escola Estadual Evarista Flores da Cunha – Praça Inácio Antônio da Silva, s/nº, Belém Novo
- Escola Municipal Prof. Larry José Ribeiro Alves – Av. Economista Nilo Wulff, s/nº, Restinga
- Escola Municipal Lidovino Fanton – Rua Manoel Faria da Rosa Primo, 940, Restinga
- Escola Municipal Vereador Carlos Pessoa de Brum – Rua da Abolição, s/nº, Restinga Velha
- Escola Municipal Dolores Alcaraz Caldas – Rua Carlos Niederauer Hofmeister, 85, Restinga
- Salão Paroquial Igreja Nossa Sra. da Pompeia – Rua Barros Cassal, 220, Floresta
- Paço Municipal da Prefeitura de Porto Alegre – Praça Montevideo, 10, Centro
- Escola Estadual Estado do Rio Grande do Sul – Rua Washington Luis, 980, Centro
- Colégio Estadual Inácio Montanha – Av. João Pessoa, 2.125, Farroupilha
- Escola Estadual Duque de Caxias – Rua Gen. Caldwell, 1.175, Menino Deus
- Instituto Estadual de Educação General Flores da Cunha – Avenida Osvaldo Aranha, 527, Bom Fim
- Colégio Estadual Florinda Tubino Sampaio – Av. Montenegro, 269, Petrópolis
- IPA – Rua Rua Coronel Joaquim Pedro Salgado, 80, Rio Branco
- Smam – Av. Carlos Gomes, 2.120, Auxiliadora
- Colégio Estadual Piratini – Rua Eudoro Berlink, 632, Auxiliadora
- Escola Estadual Desiderio Torquato Finamor – Avenida Bento Gonçalves, 7.500, São José
- Escola Estadual Maria Cristina Chika – Est. João de O. Remião, 6.505, Parada 16, Lomba do Pinheiro
- Escola Municipal Heitor Villa Lobos – Rua Santos Dias da Silva, s/nº, Lomba do Pinheiro
- Escola Municipal Afonso Guerreiro Lima – Rua Guaíba, 203, parada 11, Lomba do Pinheiro
- Escola Municipal São Pedro – Beco da Taquara, s/nº, Lomba do Pinheiro
- Escola Estadual Santa Rosa – Avenida Bernardino de Oliveira Paim, 665, Rubem Berta
- Instituto de Educação São Francisco – Av. Baltazar de Oliveira Garcia, 4.879, Rubem Berta
- Escola Estadual Ministro Poty Medeiros – Rua Vicente Celestino , 120, Rubem Berta
- Escola Estadual Professora Luiza Teixeira Lauffer – Rua Nossa Senhora de Fátima, 201, Rubem Berta
- Escola Municipal Chico Mendes – Rua Gentil Amancio Clemente, s/nº, Protásio Alves
- Escola Estadual David Canabarro – Rua Lydia Moschetti, 200, Protásio Alves
- Escola Estadual Mariz e Barros – Av. Ely Correa Prado, 915, Protásio Alves
- Escola Estadual Benjamin Constant – Rua Souza Reis, 132 – São João

Fonte: http://poavive.wordpress.com


segunda-feira, 6 de julho de 2009

Adiamento do Mutirão de Comunicação

Segunda, 06 de julho de 2009 - Por: Dom Dadeus Grings Arcebispo de Porto Alegre, Presidente do Mutirão América Latina e Caribe

Adiamento do Mutirão de Comunicação

Dom Dadeus Grings
Arcebispo de Porto Alegre,
Presidente do Mutirão América Latina e Caribe

Em nome das Entidades Promotoras (CELAM, CNBB e OCCLAC), na condição de presidente do Mutirão de Comunicação América Latina e Caribe e atendendo a recomendação das autoridades de saúde pública do Estado do Rio Grande do Sul, de não realizar grandes eventos em ambientes fechados, como medida de prevenção diante da expansão da Epidemia da Influenza A (H1N1), havemos por bem da saúde do povo suspender a realização do evento, que aconteceria de 12 a 17 de julho corrente, nas dependências da PURCS, em Porto Alegre, transferindo-o para 03 a 07 de fevereiro de 2010.

Orientação da Secretária da Saúde: recomenda-se o adiamento daqueles eventos que impliquem na concentração de grande número de pessoas, especialmente quando receberem viajantes procedentes de países/regiões com transmissão da Influenza A (H1N1) e promoverem convivência em ambientes fechados. (Comunicado distribuído em Porto Alegre 06/07/09).

Entendemos que a referida transferência é um exercício de responsabilidade e manifestação de solidariedade integral com respeito à saúde e vida dos participantes e do povo de Porto Alegre. Estamos cientes dos graves prejuízos que esta determinação acarreta, em primeiro lugar aos participantes deste acontecimento continental. Também aos conferencistas, painelistas, técnicos, especialistas e, de maneira particular, aos organizadores, patrocinadores e promotores. A todos a nossa gratidão e a solicitação de seguirmos acompanhando esta tarefa.

Com nossas orações para que cheguemos a um bom termo, recebam uma saudação no Senhor.

Dom Dadeus Grings Arcebispo de Porto Alegre, Presidente do Mutirão América Latina e Caribe


Mais informações no site: www.muticom.org

Eduardo Galeano - Mundo al Revés